O sobrenome vem do latim floris, e pode ser composto de variáveis como di fiori ou dei fiori, e há quem compare com Fiore, mas este não teria referência com a mesma família. O certo é que muitos imigrantes italianos, ao chegarem no Brasil, tiveram seus nomes registrados de forma alterada, por má compreensão por parte do escrivão brasileiro, ou pelo desconhecimento de imigrantes, não alfabetizados, para fazerem a correção no momento do registro.

Uma das mais antigas referências a este sobrenome é o registro de Giorgio Fiori (1430-1512), jurista e historiador italiano. Cesare Fiori (1636-1702), pintor e entalhador italiano; Francesco Alessio Fiori (1717-1790), jesuíta, literato e poeta italiano; e Giuseppe Fiori, poeta , matemático e astrônomo italiano, citado em 1623. No Brasil, encontramos o registro de Maria Fiori, nascida em São Paulo, capital em 1898, Antonio Fiori, nascido em 1904 em Minas Gerais e Angelina Fiori, filha de Cornélio Fiori e Emília Muran, batizada em Vinhedo, São Paulo, em 1909.Também há uma família estabelecida, no século XIX, no Paraná, à qual pertence o comerciante Vicente Fiori, proprietário de uma oficina de funilaria, em Curitiba em 1900. Outra família foi registrada em Ribeirão Preto, São Paulo, à qual pertence Domingos Fiori, que deixou geração, por volta de 1907, com Laurinda Fiori. No Rio Grande do Sul, família estabelecida em Porto Alegre, de Roque Fiori, que deixou geração do seu casamento, por volta em 1910, com Rosa Fiori. E na região de colonização italiana na serra gaúcha, em Conde d'Eu (atual Bento Gonçalves) chegou Roberto Fiori, de Veneza, casado com Catterina Zanin. Já no município de Vila Flores, antigo distrito de Alfredo Chaves (atual Veranópolis) há o registro dos irmãos GIOVACCHINO e DOMENICO FIORI, cujas gerações são tema deste site.

Veja a distribuição do sobrenome FIORI na Itália: